Dia da Mulher: campanha da Dádiva questiona o silêncio social diante da violência doméstica

O dia 8 de março é um símbolo da luta da mulher por direitos e equidade de gênero “O dia é da mulher, mas a luta é de todos. Essa não é uma data marcada por celebração, mas por luta. É o símbolo de uma batalha que travamos todos os dias por direitos. Buscamos hoje, sim, equidade de gênero - questão que nos é tão urgente e necessária - mas algumas mulheres ainda batalham pela simples sobrevivência. E, o que é mais triste, dentro de suas próprias casas”, pontua Luiza Lugli Tolosa enquanto explica o que motivou a criação da campanha de Dia das Mulheres da cervejaria Dádiva, da qual é sócia-fundadora. As campanhas de Dia das Mulheres da Dádiva, marca criada e gerida por uma mulher, sempre têm como mote o protesto contra as desigualdades de gênero. Neste ano, a ação questiona o silêncio pernicioso da sociedade diante da violência doméstica contra a mulher, que, no último ano, aumentou ainda mais no cenário de isolamento social decorrente da pandemia. Muitas vezes, a mulher sofre violência doméstica e não sabe que vive uma situação de abuso. Em outras, ela tem conhecimento do fato, mas não denuncia seu agressor porque sente vergonha - já que é levada por ele a se sentir culpada - ou porque é dependente dele, emocional ou financeiramente. O medo do que pode acontecer ou de ser desacreditada pelas pessoas também pode ser um obstáculo para a denúncia. Mesmo em casos em que a denúncia é feita, abundam relatos de ineficácia em punir agressores ou prevenir novas agressões. É preciso, portanto, deslocar a responsabilização: a denúncia é uma responsabilidade coletiva, não da mulher agredida. Quantas vezes as pessoas se calam diante de uma agressão física ou psicológica contra a mulher porque o agressor é alguém próximo (irmão, amigo, primo)? Quantas vezes se calam exatamente porque é algum desconhecido? Quantas vezes se calam porque não é “problema delas” ou porque “em briga de marido e mulher não se mete a colher”? Quantas vezes não culpam a vítima ou a rotulam como "dramática" ou "excessivamente sensível", naturalizando episódios de violência? “O machismo age de forma muitas vezes silenciosa e naturalizada socialmente. O que torna qualquer tipo de violência contra a mulher, seja ela psicológica ou física, um problema comunitário, uma responsabilidade de quem se cala diante disso. Essa é uma luta que deve ser travada por todos”, explica Luiza. A campanha da Dádiva vem para expor a necessidade de um debate social amplo e elucidativo sobre a violência contra a mulher e a nossa responsabilidade enquanto sociedade de ajudar a quebrar o silêncio e motivar uma mudança efetiva. “O nosso objetivo com a campanha é chamar as pessoas à responsabilidade e oferecer informação para que se discuta o assunto, além de apresentar canais de apoio às vítimas", ressalta Luiza. A cerveja escolhida é muito desejada pelo público cervejeiro, uma NE IPA (New England IPA) de 6,1% de teor alcoólico que traz na receita o lúpulo Citra (bastante cítrico e frutado), e com triple dry hopping. É uma cerveja aveludada e com notas de frutas tropicais, principalmente de manga e maracujá, para ser degustada entre 4°C e 8°C. “A escolha do estilo, fácil e muito consumido, tem como objetivo atingir a maior quantidade de pessoas possível”, esclarece Tolosa. O nome da campanha virá estampado na lata e estará coberto por uma fita. A ideia é que quando a pessoa que comprou a lata tire essa fita, ela imediatamente entre em contato com o tema e o assunto seja colocado em pauta ali mesmo, na mesa do bar ou em casa. Ao ver o rótulo, ele também será convidado a procurar sobre o tema nas mídias sociais - Instagram e Facebook - da cervejaria onde encontrará as informações sobre a campanha, conteúdo sobre violência doméstica e indicações de projetos que apoiam mulheres que passam por esse tipo de situação. O desafio proposto com a campanha é: abram uma cerveja e dialoguem, despertem sobre esse tema que não é só das mulheres. Coloquem de uma vez por todas esse assunto em pauta, joguem na roda, coloquem na mesa e metam a colher. Quebrem essa corrente e esse silêncio tão nocivos. Sobre a Dádiva e o seu papel na luta pela igualdade de gênero Desde que foi criada, a Dádiva busca a igualdade de gênero e a valorização da mulher no meio cervejeiro e fora do setor. Para estimular esse cenário, se propõe a ter em seu quadro de funcionários a mesma quantidade de mulheres e de homens, com mulheres exercendo funções tanto na parte de processos de produção, quanto nos cargos de gestão. Além disso, já criou diversas campanhas de incentivo à liberdade e aos direitos da mulher. A marca foi fundada em 2014 pela administradora de empresas formada pela Universidade de São Paulo (USP) Luiza Lugli Tolosa, que é, hoje, uma das principais porta-vozes femininas no meio cervejeiro. Dados de violência contra a mulher durante a pandemia Dados publicados em abril de 2020 pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública indicam crescimento da violência doméstica e familiar no Brasil, apontando que o número de feminicídios aumentou 46% em São Paulo, 67% no Acre e triplicou no Rio Grande do Norte. Esses dados levam em consideração o mês de março de 2020, em relação ao mesmo período do ano anterior. As redes da Dádiva são: Instagram: @cervejariadadiva Facebook: Cervejaria Dádiva site: cervejariadadiva.com.br.

Logo-Novo-BV.png

PARCEIROS

delibeery-cervejas.png
drink-karma.png
american-beer.png
tesla-cervejaria.png
wiva-cerveja-artesanal.png
logo_campinas_cervejaria_2019.png
zev.png
bierinbox.jpeg
Untitled-1.png
2.png
LOGO.png

Mogi Guaçu - SP

CONTATO

ENDEREÇO

  • Instagram - White Circle
  • Facebook - Círculo Branco
  • Twitter - Círculo Branco

SIGA A GENTE